agosto 19, 2010

Lua




Lua
Regente do signo de câncer e Exaltada em Touro
Detrimento em Capricórnio e Queda em Escorpião
Elemento Água - Fria e úmida

A Lua é o satélite do planeta Terra considerado pela astrologia como a Mãe arquetípica da nossa existência terrestre. O casamento do Sol e da Lua, para os alquimistas, era o princípio da formação do mundo. Regente de Câncer,
a análise da Lua nos mostra como nos ligamos à nossa existência terrestre, em um corpo físico e com vínculos emocionais.

O ser humano é um dos únicos animais que nasce frágil e incapaz de obter sozinho o próprio sustento, precisando da mãe ou de alguém de quem possa depender e assim sobreviver. Essa dependência física imediata e absoluta dá origem a uma ligação emocional profunda e duradoura com a principal fonte da vida, e é a matriz de nossa consciência lunar. Como no início a mãe é todo o universo, começamos a captar o mundo através dessa primeira luz que recebemos dela, e assim aprendemos a nos cuidar e sentir o mundo conforme o exemplo que recebemos.


Nossa mãe nos dá o primeiro modelo concreto da instrutiva característica lunar de auto-preservação, e o primeiro exercício sobre o que podemos conseguir da vida. É por isso que a Lua, enquanto luminar interno, pode nos ensinar como cuidar de nós mesmos de acordo com nossas necessidades individuais quando ficamos adultos, e pode também nos mostrar como tratar as feridas se nossas primeiras lições de infância não tiverem sido suficientemente boas, de modo que seja possível confiar na vida, apesar de tudo.


Na Lua temos os padrões de resposta inconsciente, condicionados, revelando na prática, o estado em que nos sentimos inconscientemente bem e no qual buscamos proteção. Ela mostra o estado no qual nos identificamos mais rapidamente, e que pode ser bem diferente daquele mostrado pelo Sol. Enquanto o nosso Sol mostra onde precisamos nos esforçar para nos tornarmos um indivíduo consciente, nossa Lua nos mostra onde existe tendência natural para nos curvarmos e adaptarmos ao que nos é oferecido, onde somos mais facilmente moldados, dispostos a hábitos e condições do passado, e, portanto, a sermos restringidos pelas noções, expectativas, valores e padrões de nossa família e cultura.

Temos nos padrões lunares muito da nossa auto imagem idealizada, dos padrões que desenvolvemos para sermos amados. Dessa forma, uma pessoa com o Sol em Gêmeos e a Lua em Escorpião, por exemplo, tende a se manter calada numa situação pouco familiar até descobrir onde está e quem são aquelas pessoas, daí passa a falar pelos cotovelos sobre sua própria atitude “misteriosa” .

A reação da Lua é aquela que vem primeiro, seguida pelo Sol. O padrão lunar é o primeiro a ser absorvido e ativado quando nascemos, pois é nosso instinto de nutrição, desenvolvendo seu papel a partir do primeiro alento materno. Ele permeia todas as nossas experiências de modo a mediar o passado com o presente. O signo lunar indica a energia específica que nossa criança interior precisa experimentar e expressar para se sentir segura e satisfeita, bem como a energia com que nossa mãe interior pode responder aos nossos sentimentos e carências. Por isso é importante respeitarmos e entendermos a Lua, pois ela nos mostra onde podemos nos refugiar quando precisamos de descanso, de uma pausa, de um santuário para o esforço de individuação e de crescimento da consciência.

Conforme crescemos, precisamos começar a tomar cuidado para não nos deixarmos dominar pelas necessidades lunares, pois ela também tende a nos prejudicar ou atrasar o progresso em novas e desconhecidas direções. O Sol mostrará para onde devemos ir e como achar nossas certezas e nosso brilho; a Lua só poderá refletir esse brilho, pois não tem luz própria. Por isso, quando estamos muito ligados nas necessidades lunares, acabamos encontrando situações duvidosas e ficamos passando por fases, ora mais abertos e vulneráveis, ora mais fechados e afastados, apresentando comportamentos regressivos, infantis e inseguros. A Lua nos capacita a ser nutritivos e receptivos, mas também nos prende ao passado e cria medos do futuro.

A Lua nos dá a sensação de continuidade espaço-tempo, o que pode ser observado no seu movimento no céu, que passa da lua nova para um crescimento gradual até a Lua cheia, e depois no seu recolhimento até chegar novamente à misteriosa lua nova. Esse movimento continuo e inexorável fez com que se associasse a Lua ao movimento da Roda da Fortuna do Tarô, pois tudo sob a luz da Lua segue um eterno padrão cíclico, onde o apogeu é seguido pela decadência e essa passa pelo nascimento de novos potenciais. Esse é um estado de consciência que podemos chamar de matriarcal, pois é basicamente orgânico e feminino, que reflete os processos de concepção, gravidez, nascimento, puberdade, maturidade, envelhecimento e morte. Essa consciência matriarcal está miticamente ligada aos ciclos naturais, pois priorizam a harmonização com a vida orgânica ao invés do desejo individual ou do espírito humano capazes de transcendê-la.

Os avanços desenfreados da vontade e do espírito humano acabaram criando desequilíbrios de dimensões planetárias, e é isso que nos faz hoje produzir movimentos e expectativas lunares tão fortes. Mas precisamos tomar cuidado com esse retorno da Grande Deusa por que a consciência puramente matriarcal subestima os valores individuais, dando importância primordial à família e ao clã, justificando a supressão e a destruição da auto-expressão individual em caso de ameaça do status quo do grupo, o que significa ausência de ética, princípios ou de qualquer uso disciplinado da vontade, já que tudo é justificado pela necessidade instintiva da preservação da espécie. Por esse motivo as deusas lunares eram consideradas não apenas protetora e nutridora de crianças, mas também engolidoras e castradoras.

A Lua pode ser manipuladora, traiçoeira e inconstante, criando grande voracidade emocional, acabando com o bom senso e a cooperação pessoal. Ao mesmo tempo, se nos mantemos afastados da Lua, perdemos nosso senso de ligação e cuidado com o corpo, o que, ampliado, significa desligamento e falta de cuidado com a natureza e com a própria vida na Terra. O corpo serve para nos lembrarmos de que somos mortais, pois ele sofre dores, doenças, envelhecimento, mas também sente prazer.

Também temos estados de humor corporais, pois nossos estados emocionais estão intimamente ligados aos nossos corpos. A não expressão lunar significa sofrimento do corpo e também prejudica nossa capacidade de vivenciar o presente, o que acaba fazendo com que muitas pessoas acordem de repente, percebendo que não haviam realmente vivido, pois não há lembranças nem sensação de continuidade, nem sensação de aproveitamento do passado.


O corpo controla a si mesmo - não pensamos em respirar, ou fazer o coração bater ou fazer um óvulo amadurecer - e esse processo ainda hoje tem algo de mágico, pois apesar de nosso grande conhecimento sobre fisiologia do corpo, a verdadeira compreensão da natureza do princípio anímico da vida não progrediu muito nos últimos 6000 anos. O corpo possui uma sabedoria interior que faz com que ele consiga se curar sozinho com muito pouco estímulo. As imagens míticas ligadas à Mãe Terra trazem em si o poder que a natureza tem de manter e perpetuar a si mesma. Gaia, Demeter, Ártemis e Hécade são retratadas nos mitos como deusas da concepção e do nascimento por representarem esse princípio inteligente, criador e animador dos veículos necessários para a continuidade da vida física nesse mundo. Da mesma forma, Eva, no Antigo Testamento, significa “vida” em hebraico, e é a mãe de toda a humanidade.


Os bebês nascem sem um ego capazes de pensar que ele é ele mesmo em primeiro lugar, apesar de encarnado em um corpo físico. O senso de um “eu interior”, abstrato e independente do corpo, é refletido na astrologia pelo Sol, que desabrocha à medida que amadurecemos, mas a Lua está presente desde o início, já que a primeira experiência de uma criança é corporal, e durante as primeiras semanas de vida só existem sensações e necessidades físicas. Quando nossas necessidades instintivas e básicas são preenchidas, ficamos satisfeitos e a vida se torna um lugar seguro. Assim a capacidade de expressar a Lua de uma maneira saudável significa ter a possibilidade de vivenciar e expressar as necessidades e apetites da sobrevivência corporal, sem precisar justificá-los pela autoconsciência ou pelo raciocínio, que derivam do ego solar. Isso significa que o princípio psicológico representado pela Lua está ligado às necessidades básicas de segurança e sobrevivência, e o resultado da sua não expressão é principalmente ansiedade, pois esse é o resultado emocional da sensação de que a vida lá fora não é segura, de que seremos contrariados e de que algo terrível pode nos acontecer.

Seja qual for o gatilho ativador desse estado na vida adulta, provavelmente suas raízes estão plantadas em antigas vivências do sentimento de insegurança na infância. Algumas pessoas ficam inseguras ao serem ameaçadas de rejeição ou abandono, outras por qualquer mudança de ambiente, outras ao começar qualquer coisas e outras por terminar qualquer coisa. Quando estamos ansiosos e precisamos recuperar nossa segurança, nos voltamos para a Lua e para coisas que a representam.

No mapa natal, o signo e casa da Lua oferecem uma descrição bastante detalhada do tipo de coisas que nos proporcionam sensação de segurança. Nossa fome lunar é uma característica humana básica, apesar dos modos de expressão poderem variar. Se não soubermos como acolher e expressar nossa inata sabedoria lunar, a Lua não consegue operar diretamente através da personalidade, e vai se manifestar indiretamente, através dos mecanismos cegos que adotamos quando estamos inconscientemente ansiosos e precisamos recuperar a segurança, criando nossos comportamentos compulsivos. Todos nós temos certo grau de compulsão, pois a vida muitas vezes é realmente insegura, mutável e desconhecida, e ninguém consegue ter segurança suficiente para nunca ter medo. Se conseguimos, porém, conhecer, aceitar e respeitar nossa Lua, podemos aprender a nos nutrir com o tipo adequado de alimento, que nos permita lidar com a ansiedade de modo mais sensato e criativo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua visita ao blog; desde já agradeço seus comentários. Ou mande-me um email: lu_ou_lucia@hotmail.com

Related Posts with Thumbnails

Follow by Email

Quero acompanhar este blog

Pesquisar este blog